sábado, 27 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

"Escrita finta deficiência"


"Adriana Ferreira, com 16 anos e de raízes humildes, dribla assim através das letras no computador a sua paralisia cerebral, ajuda economicamente a família e promove a inclusão.
"Não me imaginava como escritora, foi de repente, na escola apoiaram-me muito. Oxalá o livro sirva de exemplo aos que têm dificuldades idênticas às minhas, pois quando era pequena a aceitação social foi bastante difícil", diz ao JN a aluna de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade, na Escola Secundária de Barcelos.
O seu livro de estreia fala de um cão rejeitado pelo irmão, que quer sair de casa por recusar viver com o dálmata sem pintas. Foi co-escrito com a docente de ensino especial Eugénia Carvalho, do Agrupamento Braga Oeste, ilustrado pela educadora Anabela Marta e com grafismo da docente de TIC Hélia Lima. A edição de autor de mil unidades foi paga com receitas de uma festa dos escuteiros de Martim, terra da autora.Face à procura foi lançada a segunda edição da obra, que culmina três anos do projecto Superar Barreiras. Aí, os estudantes abordaram por exemplo as barreiras humanas e arquitectónicas, enviando até a lista de falhas à DREN, Câmara e Estradas de Portugal, que agiram de imediato. Percebeu--se ainda que a mochila no chão prejudica o colega invisual, o surdo tem de pedir no bar por escrito ou, na biblioteca, a falta de volumes em braille e prateleiras altas atrapalham invisuais e deficientes motores.
"A comunidade sensibilizou-se e a Adriana, antes incomodadíssima com a diferença, viu que a cadeira de rodas é um detalhe; tem forte auto-estima, talento, boas ideias e desbravou mentalidades e barreiras, sobretudo sociais", anuiu Eugénia Carvalho. "Estou orgulhosa, nunca pensei que a minha filha fosse tão longe", reagiu Esmeralda Cardoso."


in "Jornal de Notícias" 22 de Fevereiro de 2010

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

"A poesia é sobretudo um risco"

"Quintas de Leitura", no Porto, celebram 100ª edição amanhã, quinta-feira. Êxito do ciclo surpreende até o mentor

Ontem
SÉRGIO ALMEIDA

Em oito anos, tornaram-se uma referência incontornável do roteiro cultural portuense, com um público fiel e numeroso, sempre a crescer.
As "Quintas de Leitura", no Teatro do Campo Alegre, chegam amanhã à centésima edição e querem celebrar a data a preceito.
Surgiram em plena ressaca da Porto 2001, quando ainda subsistia a esperança de que a elevada quantidade de eventos da Capital Europeia da Cultura poderia ter continuidade. O desânimo que não tardou a instalar-se entre as hostes culturais da cidade em nada perturbou João Gesta, programador das "Quintas de Leitura" desde a primeira hora, que traçou logo nessa altura os objectivos: criar um ciclo de poesia com entrada paga em que os espectadores teriam acesso ao trabalho de criadores consagrados e emergentes não apenas na poesia, mas também noutras linguagens artísticas, da música, à dança, passando pelo vídeo e fotografia.
"O sucesso surpreendeu-me, quanto mais não fosse porque estamos a falar de regras ambiciosas. Pagar para assistir a espectáculos de poesia não era um hábito enraízado em Portugal", reconhece Gesta, que afirma dever tudo sobre a sua função a Joaquim Castro Caldas, o poeta responsável durante anos pelas célebres noites do Café Pinguim.
"Ciclo de boa saúde"
Primeiro no café-teatro e mais tarde no auditório do Teatro do Campo Alegre, o ciclo não tardou a sedimentar o seu prestígio, graças ao que João Gesta considera ser "uma mescla equilibrada" entre autores já renomados e outros a caminho disso.
"O ciclo continua de boa saúde ao fim deste tempo todo. As bases estão consolidadas, mas é preciso também oferecer às pessoas propostas inusitadas e surpreendentes. A poesia é sobretudo um risco", sintetiza João Gesta.
A frequência da participação de autores como Valter Hugo Mãe, José Luís Peixoto e Gonçalo M. Tavares não tem isentado os organizadores de críticas quanto à repetição de fórmulas. João Gesta discorda do reparo, frisando que cada participação de um dos referidos autores equivale a um novo espectáculo, com outros intervenientes e protagonistas.
"Além disso, é o público que exige a sua presença. No dia seguinte à presença do José Luís Peixoto, por exemplo, há pessoas que ligam para o teatro a perguntar quando será a sua próxima vinda", confessa.
Eleger momentos marcantes em 99 edições é tarefa árdua, à qual Gesta, porém, não se furta, destacando o momento em que Rui Reininho simulou atirar para a assistência um recipiente cheio de urina que, afinal, era chá... "Aquilo poderia ter acabado mal", sorri o mentor do evento, patrocinado pela Fundação Ciência e Desenvolvimento, que confessa jamais ter sentido pressões para convidar determinados autores. "No momento em que isso acontecesse, cessava funções", diz.
in Jornal de Notícias, 24 de Fevereiro de 2010

Não vamos esquecer...Madeira!


domingo, 21 de fevereiro de 2010

Outra vez a Estrela...

Desta vez meteu o focinho na areia, a minha maluca!

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Parabéns Tatuagens!

"Adormeci e sonhei que a vida era alegria; despertei e vi que a vida era serviço; servi e vi que o serviço era alegria."

(Rabindranath Tagore )

Hoje o Tatuagens está de parabéns e, como tal, resolvi deixar o meu primeiro post.

Foi assim que nasceu o Tatuagens!

Quero agradecer a todos vocês que estão do outro lado e que fazem do meu blogue um espaço de partilha de sensações, de prazeres, de sabores... Vocês são o Tatuagens!

E quero deixar um agradecimento especial ao Armando porque foi o primeiro a comentar.

Parabéns Tatuagens!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Dia 27, Teatro Municipal de Vila do Conde às 22 horas

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Tributo Zeca Afonso em Braga


Blog perfeitinho

Este foi mais um selinho oferecido pela amiga Luz , do blogue Anima Luce Mia, a quem deixo um agradecimento especial .
Devería, segundo as regras, oferecê-lo a cinco blogues mas vou oferecê-lo a quem o quiser vir buscar ao meu Tatuagens.

A outra regra é dar alguns aspectos a conhecer...
Aqui vai:

Mania: ter tudo organizado.

Pecado capital: sou muito gulosa por chocolate, caramelo, coco...

Melhor cheiro do mundo: cheiro do meu filhote, principalmente o de quando era bebé! O cheiro do mar, do campo, cheiro a café, a baunilha...perfumes amadeirados e secos, um pouco doces (no Inverno) e cheiros frescos, florais (no Verão).

Se o dinheiro não fosse problema: eu viajava muito, conhecia culturas diversa, ía ao teatro, ao cinema, a concertos, ía às compras :) sem olhar ao preço! Ajudava quem precisa e construía um espaço dedicado à Criança, com tudo a que têm direito!

História da infância: são muitas as histórias...todas inesquecíveis! o que mais recordo com saudade são os amigos que dela fizeram parte e com quem já não tenho contacto. Recordo-me muito da minha professora primária, a doce D. Teresinha que se reformou mais tarde um ano para nos acompanhar até ao fim do 1º ciclo.

Habilidade na cozinha: dizem que tenho imensa! Não é para me gabar mas cozinho muito bem! Tive uma boa professora: a minha mãe.

Frase preferida: trago-a sempre comigo :) Carpe Diem.

Passeio para o corpo: uma boa massagem!

Passeio para a alma: também uma boa massagem!

O que me irrita: quando o meu marido e o meu filho deixam tudo desarrumado!

Frases que uso muito: a sério?! gostas de mim? já me estou a passar! oh sorte!

Palavrão mais usado: é melhor não dizer...:)

Talento oculto: muitos...é segredo!

Não importa que esteja na moda, eu nunca usaria: nada com que não me sentisse confortável.

Queria ter nascido a saber: o quão bom é saber, é fazer, é viver...

domingo, 14 de fevereiro de 2010

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Black

video

O meu Tatuagens está quase a fazer um ano e eu nunca vos disse o porquê de se chamar assim. Pois bem, foi inspirado um pouco na letra desta música que me é muito especial, por um dia me ter sido dedicada... Obrigada a quem o fez! Continuas a ser especial...De facto, esta música marcou a minha adolescência e a minha vida!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Hoje sinto-me assim...


Hoje sinto-me sem os pés no chão,
sinto-me vazia, sem sangue...
Sinto-me como se não houvesse tempo!
Como se não existisse o Inverno,
muito menos a Primavera...
Como se não houvesse o canto dos pássaros
e o sopro do vento!
Hoje sinto-me como se nada sentisse,
longe do mundo... efémera quimera!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010


Fotografia tirada em Vila do Conde - Capela de Nossa Senhora do Socorro

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010


Quem me quiser há-de saber as conchas

a cantiga dos búzios e do mar.

Quem me quiser há-de saber as ondas

e a verde tentação de naufragar.
Quem me quiser há-de saber as fontes,

a laranjeira em flor, a cor do feno,

a saudade lilás que há nos poentes,

o cheiro de maçãs que há no inverno.
Quem me quiser há-de saber a chuva

que põe colares de pérolas nos ombros

há-de saber os beijos e as uvas

há-de saber as asas e os pombos.
Quem me quiser há-de saber os medos

que passam nos abismos infinitos

a nudez clamorosa dos meus dedos

o salmo penitente dos meus gritos.
Quem me quiser há-de saber a espuma

em que sou turbilhão, subitamente-

Ou então não saber coisa nenhuma

e embalar-me ao peito, simplesmente.


Rosa Lobato Faria 1932-2010

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Estrela


Ontem fiquei deliciada com as palavras que o sonhador em fulltime, do blogue http://a-traicao-do-eu.blogspot.com/, dedicou ao seu amigo de 12 anos para cá.
De facto, só depois de se ter um animal é que se entende a grandiosidade de se dar sem esperar nada em troca. Os animais jamais nos abandonam, seguem o seu dono para onde quer que vá, então porque somos nós muitas vezes a abandoná-los?
Deu-me uma vontade enorme de deixar-vos estas imagens da minha Estrela, que já vos havia apresentado anteriormente, agora em formato maior! :) Ela não pára de crescer e ainda só tem quase 8 meses!
É extremamente gratificante quando nos sentimos amados, quando alguém nos chama ás 7 horas da manhã porque já acha que está há muito tempo sem nos ver, ou porque tem fome! :) E ainda melhor é chegar a casa, e mesmo antes de se entrar na porta, ela já saber que estou a chegar...e correr como que para nos abraçar parecendo uma doida!... Já não consigo imaginar a minha vida sem a minha Estrela!