sexta-feira, 26 de novembro de 2010

"A Poesia torna-nos pessoas melhores"

"A tarde nem a meio vai sequer e Filipe Lopes prepara-se para enfrentar a quarta plateia do dia. Os sinais de cansaço ou enfado estão, todavia, ausentes da expressão deste psicólogo, que há 15 anos, como membro do grupo Contador de Histórias, tem percorrido o país em centenas de sessões que visam aproximar os cidadãos da literatura e, acima de tudo, da poesia, devoção de longa data do co-fundador desta pequena empresa de prestação de serviços culturais sediada em Tomar.
"Foi sempre isto que quis fazer", confessa Filipe, que em nenhum momento se arrepende da opção profissional tomada há mais de uma década: "Faço mais pela saúde mental das pessoas lendo poemas e outros textos literários do que num gabinete a dar consultas. É uma realização pessoal muito grande".
Pela frente, tem agora duas dezenas de estudantes do 10º ano da Escola Secundária Diogo de Macedo, no Olival, em Vila Nova de Gaia. Se o entusiasmo não é propriamente o sentimento dominante entre os jovens, Filipe Lopes não se mostra demasiado preocupado com a apatia inicial.
Enterrar os mitos
Hábil conhecedor da psicologia de massas, não tarda a conquistar a plateia, começando por reconhecer que o ensino tradicional está longe de fazer tudo o que pode pela literatura, ao dissecá-la em vez de tentar cativar os alunos.
O resultado, garante o declamador, são gerações sucessivas de jovens erradamente convencidos de que "a poesia é uma seca", quando, na verdade, é o oposto. "Os programas educativos estão concebidos para que os jovens não gostem de ler", desabafa, em tom crítico, mas iliba os professores de quaisquer responsabilidades nesse domínio, embrenhados como estão "no cumprimento de tantos objectivos e tanta papelada que já não lhes sobra tempo para mais nada".
Durante quase 50 minutos, numa sessão precisamente intitulada "Então isto é que é a poesia?", Filipe Lopes enceta uma viagem guiada pelos encantos da palavra poética. Luís de Camões e Florbela Espanca são os primeiros deste cardápio literário de excepção, intercalado sempre por comentários espirituosos que cimentam o tom de informalidade pretendido. Seguem-se, entre tantos outros, Mário-Henrique Leiria, Sebastião da Gama e, até, José Luís Peixoto, amigo do declamador desde os tempos em que ambos escreviam no extinto suplemento "DN Jovem".
A plateia há muito que parece ter vencido as resistências iniciais. E mesmo os mais distraídos no arranque da sessão deixam de lado a irrequietude habitual para se tornarem membros activos do recital, lendo em voz alta poemas de autores que se habituaram a olhar com cepticismo. O segredo? Tratar os jovens com sentido de responsabilidade, sem embarcar nos facilitismos, é um bom princípio, até porque "a base existe. É preciso apenas ter disponibilidade mental para trabalhá-la", defende.
Filipe Lopes assegura que o fomento da leitura é apenas o princípio de tudo. Em última instância, acredita que a literatura é um vector fundamental para a tão desejada educação para a cidadania: "Pessoas que lêem muito provavelmente terão mais consciência social do que as outras. Por isso, gosto de acreditar que a poesia ajuda-nos a sermos melhores".


in "Jornal de Notícias" 26 de Novembro de 2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Carpe Diem



O mistress mine, where are you roaming?

O stay and hear! your true-love's coming

That can sing both high and low;

Trip no further, pretty sweeting,

Journey's end in lovers' meeting--

Every wise man's son doth know.



What is love? 'tis not hereafter;

Present mirth hath present laughter;

What's to come is still unsure:

In delay there lies no plenty,--

Then come kiss me, Sweet and twenty,

Youth's a stuff will not endure.



William Shakespeare

terça-feira, 26 de outubro de 2010

A Poesia vai à Escola


No passado Sábado, dia 23, realizou-se na Biblioteca Municipal José Régio, em Vila do Conde, uma formação que tratou a poesia no contexto escolar.
O programa da formação teve como principais objectivos: definir a poesia, explicar o seu valor (lúdico/utilitarista e intrínseco), o lugar que ocupa no Currículo Nacional do Ensino Básico e no Programa de Língua Portuguesa do 1º Ciclo e na sala de aula e definir estratégias para ensinar a ler poesia.
Segundo Ruy Belo, " É preciso ensinar a poesia porque, embora como qualquer outra actividade, ela tenha aspectos inatos, é também uma coisa que se aprende".
Quero, desde já, deixar um agradecimento especial ao escritor João Manuel Ribeiro, o formador, que proporcionou a todas as pessoas que participaram na formação "A Poesia vai à Escola" um dia especial e, sobretudo, por ter explicado, de forma muito esclarecedora, o papel residual que a poesia deve ocupar na escola.

Deixo aqui um pouco do que foi "A Poesia vai à Escola":

Segundo Aristóteles, a poesia tem a função de despertar emoções.

Estudos empíricos mostram que a poesia melhora o ambiente de sala de aula porque estuda valores.

Em qualquer disciplina podemos ensinar a poesia.

A poesia é um texto aberto que faz a criança pensar porque diz muito mais do que lá está escrito.
A poesia educa a sensiblidade e o gosto e é uma forma de expressão que apela simultaneamente às dimensões cognitiva, emotiva e sensorial. (Neves)

Segundo Fernando Azevedo, a poesia é muitas vezes entendida como mera actividade museológica.

A poesia não se ensina, mostra-se.
A sua leitura deve fazer-se em voz alta, porque todas aquelas palavras aguardam uma voz para tomarem forma e figura. (Eugénio de Andrade)

Poesia é quando uma emoção encontrou o seu pensamento e o pensamento encontrou as palavras.

domingo, 24 de outubro de 2010

video
Barca Bela de Almeida Garrett (Folhas Caídas)
por Teresa Silva Carvalho

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Carta de um filho estudante


Coimbra, 29 de Julho 1858.

Minha querida Mamã,Depois de tantos trabalhos e sustos chegou finalmente o dia, em que
dando um suspiro

de alívio pude descansar sem cuidados; e por isso é que lhe escrevo debaixo da

agradável impressão de ter feito os exames e de me achar habilitado com os exames de
Instrução Primária, Francês, Latim, Lógica, Retórica, História e Geografia, Geometria, e
Introdução aos três Reinos da Natureza, e apto para me matricular em qualquer
Faculdade, a qual será a que o Papá e a Mamã escolherem.

Estou pois muito contente, não só pelo facto em si, como também pela alegria que com

isso terão todos os que por mim se interessam; e muito aliviado pois o fim do ano é o

maior Cabrion(1) que um pobre Estudante pode ter.

Agora pois estou em Férias, e espero passá-las descansado, e lendo algum livro que

possa instruir-me, sem contudo ter o peso da Ciência: agora que lancei a Ciência nas

certidões, posso-me entregar um pouco aos meus passatempos favoritos de Literatura e

Poesia: são estes os meus divertimentos nesta terra, e confesso que tem para mim

milhares de atractivos, e que os prefiro a todos os outros.

Agora estou eu fazendo uma pequena tradução em verso, e estando pronta lha

mandarei, visto que a Mamã tem a suma bondade de ler as minhas modestas rabiscas.Não sei
se passarei aqui as férias: eu desejava ir uns 15 dias à Figueira, tomar banhos e

passear, pois esta vida de Estudante não é só monótona e incómoda, mas também

pode fazer mal sendo contínua: por isso mesmo é que se fizeram as férias, tempo de

descanso: além disso o meu estado de saúde pede esta pequena viagem: não que eu

tenha doença alguma grave, mas ando sempre com pequenos achaques tais como dor

de cabeça, febre, constipação, etc. Já vê a Mamã que preciso espairecer, e mesmo os

ares do mar fazem-me iludir um pouco, e transportam-me pelo pensamento aos belos e

saudosos tempos que aí passei. Quem me dera já o ano que vem, para lá ir, como o

Papá me prometeu: enfim, será quando Deus quiser!

Também lhe quero pedir um favor – Daqui até Novembro, tempo em que começam as

aulas, precisava ler alguns livros de Literatura filosófica, para não ir para a Universidade

com os olhos fechados sobre este ramo das Letras, que é necessário pela relação

íntima que tem com todos os outros: precisava pois comprar esses Livros, e é o favor

que lhe peço, o pedir ao Papá que me mande dinheiro para eles, que, para os que por

ora preciso, não será necessário mais que 5 ou 6 mil réis. Isto devia eu ter pedido

directamente ao Papá, mas não sei que acanhamento me deu, que tenho vergonha de

lho pedir, enquanto que à Mamã lho peço com mais confiança.

Peço-lhe me recomende muito a todos; Manas(2), André(3), Prima Anica(4) e Beza(5): a

esta última peço lhe dê um abraço da minha parte.~

Adeus minha querida Mamã

deite a sua bênção ao seu

Filho muito obediente e amigo

Antero


(Carta de Antero a sua mãe que saíu na Prova de Acesso ao Mestrado 20/09/2010)

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Eu sou feliz porque...


Quero agradecer à amiga Luz por mais este selo lindo que me ofereceu.
Obrigada por te lembrares, mais uma vez, do meu espaço.
As regras resumem-se a oferecê-lo a cinco blogues que passo, desde já, a citar:
Sair das Palavras
Clips de Vidro (embora já o tenha ganho da Luz)
Desabafos de Parede
A Traição do Eu
Pausa no Tempo
E completar a seguinte expressão:
EU SOU FELIZ PORQUE...
Sinto-me muito amada.
Amo muito.
Gosto muito de mim.
Sobretudo porque acredito que não exite felicidade plena,
existem sim momentos felizes! Basta dar-lhes o devido valor...

quarta-feira, 11 de agosto de 2010



"Grenouille estava sentado em cima desta pilha, com as pernas
esticadas e as costas apoiadas no muro da granja; tinha fechado os
olhos e conservava-se imóvel. Não via nada. Não escutava nem
sentia nada. Chegava-lhe unicamente o cheiro da madeira que subia
em seu redor e se mantinha retido sob o telheiro como que aprisi-
onado numa touca. Ele bebia este cheiro, embriagava-se nele, im-
pregnava-se por todos os poros até ao mais fundo de si, ele próprio
se tornava madeira, como uma marioneta de madeira,
como um Pinóquio em cima daquela pilha, como morto, e ao cabo
de um longo momento, talvez uma meia-hora, expeliu finalmente
a palavra «madeira».
(...)
Cheirava o sono tranquilo da criada no quarto ao lado e o sono de
profundo contentamente de Antoine Richis, do outro lado do cor-
redor; cheirava como dormiam serenamente o estalajadeiro e os
criados, os animais no estábulo, a aldeia em peso e o mar.
O vento parara. Tudo estava silenciosa. Nada perturbava a paz.
Num dado momento o pé descaiu-lhe um pouco e roçou o pé de
Laure. Não propriamente no pé, mas apenas no tecido que o envol-
via, untado por baixo de uma camada de gordura que se impregna-
va do perfume da jovem, deste maravilhoso perfume, deste perfu-
me que lhe pertencia."


in "O Perfume
História de um assassino" de Patrick Süskind

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Obrigada António Feio

António Feio deixou-nos ontem após uma longa luta...
Mas, deixou-nos uma mensagem muito especial...
Obrigada António Feio!
video

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Pode o céu ser tão longe


Vesti a luz do teu nome


E chamei-te pela noite




Entraste no meu sono


Como o luar entra na fonte




Trazes histórias e proezas


Dizes que tens tanto para me dar




Deixas sombras incertezas


E partes sem nunca me levar




E de repente, um mar sozinho


Ninguém na margem


Ninguém no caminho


Tão frio...




E o teu beijo mata-me a distância


Ninguém tão perto pode o que o beijo alcança


E o meu corpo chora quando o teu vai embora.




Porque o teu mundo é tão longe


Tão longe


Pode o céu ser tão longe


Tão longe


Se a tua voz vibra em mim




Há um deserto que fica


Sou um capitão sem barco




E qundo vens pela bruma


Acendem-se as estrelas no quarto




E dizes: Trago a luz das sereias


Trago o canto da tempestade




E como o vento na areia


Deitas-te em mim feita metade




E de repente, um mar sozinho


Ninguém na margem


Ninguém no caminho


De tão frio...




E o teu beijo mata-me a distância


Ninguém tão perto pode o que o beijo alcança


E o meu corpo chora quando o teu vai embora...




Porque o teu mundo é tão longe


Tão longe


Pode o céu ser tão longe


Tão longe


Se a tua voz vive em mim



Pedro Abrunhosa

segunda-feira, 19 de julho de 2010


O conhecimento é como um jardim:

Se não for cultivado, não pode ser colhido.


(Provérbio Africano)
Às vezes,
Não tenho a certeza de que o céu é infinito
E de que o sol ainda é amarelo.
Não tenho a certeza de que o som é invisível
E de que o teu sorriso é de todos o mais belo!
Às vezes,
Não tenho a certeza de que os trevos dão sorte
E de que os vulcões cospem lava ardente.
Não tenho a certeza do que me vai na alma
E do que o meu coração deveras sente!
Às vezes,
Não tenho a certeza de que existe um Deus
E de que Ele está em toda a parte,
Não tenho a certeza que existe também o amor
E se, por isso mesmo, devo, ou não, amar-te!
Às vezes,
Não tenho a certeza da minha vontade
E de que quero aquilo que julgo querer.
Não tenho a certeza do que acho ser verdade,
Apenas de que quero amar-te até morrer!

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A maior flor do mundo

video
Baseado no livro "A maior flor do Mundo" de José Saramago.

sábado, 19 de junho de 2010


De 16/11/1922 a 18/06/2010


"Gostaria de ser recordado como o escritor que criou a personagem do cão das lágrimas
(Ensaio sobre a Cegueira). É um dos momentos mais belos que fiz até hoje."

domingo, 30 de maio de 2010


Quero agradecer este prémio especial ao Nelson Santos, do "Educação Especial: Um grito de Mudança" e também as suas palavras deixadas no seu espaço.

Eu vou quebrar as regras e não vou oferecê-lo a ninguém especial porque são muitos aqueles que fazem do meu Tatuagens o lugar que é, e são muitos os que o merecem pela dedicação a cada um dos seus espaços.

Quero também deixar-vos um agradecimento muito grande pelo vosso carinho, que eu sinto em cada uma das vossas palavras e dizer que vou ausentar-me por uns tempos...até eu achar que me encontro em condições de voltar! Preciso deste tempo...

Contudo, este espaço continua a ser meu e vosso, e estarei sempre por aqui!

Até um dia destes!....

domingo, 9 de maio de 2010

As nossas "pastas" jamais esquecerão



Senhor Jesus Cristo:

No momento solene em que nos despedimos da universidade

aqui Vos pedimos perdão para as nossas faltas

e vos agradecemos a vida, a alegria e a luz, que durante estes anos de Vós recebemos.

Na vossa presença recordamos os professores,


os funcionários, os colegas e os amigos, vivos e os


que já partiram, com quem durante estes anos convivemos.


Pedimos, Senhor, a vossa bênção


para esta vida que vamos deixar


e que as nossas "pastas" jamais esquecerão.


Senhor Jesus Cristo:


À luz da vossa palavra e da vossa graça,


queremos, como irmãos,


modelar o nosso presente e o nosso futuro,


a família, a profissão, a sociedade.


Por isso, na presença da Virgem Santa Maria,


queremos, consciente e livremente,


consagrar-nos a Vós.


Consagramos a nossa profissão, a nossa inteligência,


a nossa energia, o futuro, a nossa vida.


Senhor Jesus Cristo:


Fortalecidos pela graça do Espírito Santo,


esperamos ser fiéis à Santa Igreja


pelo testemunho da nossa palavra e das nossas obras,


para louvor e glória de Deus Pai.

Amém.


Oração orada pelos estudantes na Missa de Finalistas (08/05/2010)

terça-feira, 4 de maio de 2010

Blog de ouro


Agradeço à Luz pela lembrança.
Sem querer quebrar as regras, passo cumprir:
1. Por que acha que mereceu este prémio?
Bem, na verdade acho que o mereço porque sou especial...e nada convencida! :)
Agora a sério, mereci o prémio porque assim a Luz o achou. A Luz tem, de facto, uma sensibilidade muito grande e um carinho muito especial... Muito obrigada Luz.
2. O Blogue que o indicou merecia o Prémio Blog de Ouro?
Claro que sim, sem dúvida alguma! O blog Átomo Vida é um blog de Ouro e a sua autora é uma Pérola.
E agora passo a nomear 10 blogues de ouro:

sábado, 24 de abril de 2010

Amar



Neste momento
Em que as lágrimas me correm
Pelas faces abaixo,
Sinto-me perdida num rio
Sem leito, sem margens, incessante.
São nestes momentos frios e pesados
Que afogamos as nossas mágoas,
Os nossos desgostos.
Mas não estou verdadeiramente triste
Por te amar sem ser amada,
Porque sei, porque tenho a certeza
De que amo por mim e por ti.

96/05/23

sábado, 17 de abril de 2010


Pintei os meus olhos de verde para ser inspiração a Camões.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Mais um prémio

Agradeço à minha querida Luz, por mais esta lembrança.
E ofereço a todos os que passam pelo meu Tatuagens que o queiram levar, em especial aos blogs que menciono abaixo:
Clips de Vidro
Sair das Palavras
A traição do eu
Foi desse jeito que ouvi dizer
Desabafos de parede
Instantes do pensamento

terça-feira, 30 de março de 2010



um dia quando a ternura for a única regra da manhã


um dia, quando a ternura for a única regra da manhã,
acordarei entre os teus braços. a tua pele será talvez demasiado bela.
e a luz compreenderá a impossível compreensão do amor.
um dia, quando a chuva secar na memória, quando o inverno for
tão distante, quando o frio responder devagar com a voz arrastada
de um velho, estarei contigo e cantarão pássaros no parapeito da
nossa janela. sim, cantarão pássaros, haverá flores, mas nada disso
será culpa minha, porque eu acordarei nos teus braços e não direi
nem uma palavra, nem o príncipio de uma palavra, para não estragar
a perfeição da felicidade.



in A criança em ruínas

de José Luís Peixoto

segunda-feira, 29 de março de 2010

quinta-feira, 18 de março de 2010

Insólito


No mínino insólito. Dois estudantes "erasmus" da Universidade do Minho, de nacionalidade alemã, lançaram ontem, quarta-feira, e segundo dados da Polícia de Segurança Pública de Braga, mais de 150 euros de uma janela de um terceiro andar em plena Avenida da Liberdade.
O estranho "ritual" germânico, confirmado pela PSP, foi a forma encontrada pelos dois estudantes alemães de celebrarem a conclusão do "erasmus" em Portugal e, também, o fim dos seus estudos.
"Eu ia a passar na rua e vi as pessoas a correr e a olhar para o ar, ao mesmo tempo que gritavam que caíam notas de cinco euros de uma janela", relatou uma testemunha que passava no local.
Mas não foram só notas de cinco euros que começaram a cair da janela da habitação onde residiam os estudantes "erasmus". "Quando dei por ela vi uma nota de 20 e outra de 10 a voar", explicava outra testemunha.
O insólito acontecimento, que juntou centenas de pessoas "à caça das notas", ocorreu por volta do meio-dia, sendo que Polícia foi chamada ao local para restabelecer a ordem pública. A PSP de Braga confirmou, ao JN, que apenas identificaram os estudantes alemães da UM e que os impediram de continuar a lançar notas pela janela.
Presas em varandas
Algumas das notas ficaram presas em varandas, o que prolongou a concentração das pessoas em plena Avenida da Liberdade até às duas horas da tarde, originando, inclusive, o arremesso de sapatos às notas presas nas varandas das habitações vizinhas de onde foram lançados os euros.
Apesar da insistência, os alunos recusaram-se a prestar declarações, não abrindo a porta. No entanto, às autoridades terão argumentado que esta é uma forma usual de os alemães festejarem a conclusão do curso.
Seja como for, os transeuntes que lograram apanhar alguma das notas lançadas manifestavam a sua satisfação: "Era bom ter esta chuva todos os dias".


in Jornal de Notícias 18/03/2010

domingo, 7 de março de 2010

"O Norte está à procura de identidade"


"Maria Amélia Cupertino de Miranda, presidente da Fundação António Cupertino de Miranda, acredita que os museus, desde que inseridos nas respectivas comunidades, podem desempenhar papel importante na dinâmica da região.
É com um entusiasmo incontido que fala sobre os novos projectos da Fundação António Cupertino de Miranda (FACM), instituição portuense com 46 anos de vida apostada em concretizar a conhecida premissa de "pensar global, agir local".
Cada vez mais, o trabalho em rede junto de escolas, universidades e colectividades do Porto ocupa o centro de actividades da FACM, com o objectivo de esbater desigualdades. Tarefa árdua, ou não fosse a exclusão, como confidencia a presidente do conselho de administração, Maria Amélia Cupertino de Miranda, "uma realidade multidimensional" que exige mais do que intervenções pontuais.
Um dos planos mais ambiciosos em curso decorre no Museu Papel Moeda, espaço da Fundação, e tem como objectivo uma cooperação estreita com as freguesias vizinhas (como Nevogilde, Aldoar, Foz do Douro, Ramalde e Lordelo do Ouro) nas áreas de acção educacional, cultural e social.
Em parceria com a Secção de Museologia do Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, a "Cupertino de Miranda" está a adequar a programação museológica às necessidades dos utentes locais, com os jovens no topo das prioridades.
Também os invisuais não foram descurados na estratégia adoptada. A tal ponto que o Museu do Papel Moeda é um dos raros espaços museológicos nacionais totalmente equipados para invisuais, fruto de uma parceria com a ACAPO.
Ao actuar junto de públicos carenciados ou com necessidades especiais, a FACM enfrentou dificuldades acrescidas, até porque, como confessa a responsável, "as pessoas não estão habituadas a que lhes ofereçam algo". Todavia, a adesão crescente registada fez ver aos mentores que estão no caminho certo.
"Os museus devem ser recursos do conhecimento, complementando a escola. Além disso, podem ser campos interessantes de investigação", sustenta, ao mesmo tempo que defende a existência de serviços educativos fortes."
in "Jornal de Notícias" 07 de Março de 2010

quarta-feira, 3 de março de 2010

Alice no País das Maravilhas voltou!


Quem não se lembra da "Alice no País das Maravilhas"? A história fantástica de uma menina que cai na toca de um coelho e vai para a um lugar fantástico habitado por criaturas peculiares, criada por Lewis Carrol e considerada um clássico inglês.
Uma das interpretações diz que a história representa a adolescência, com uma entrada súbita e inesperada (a queda na toca do coelho, iniciando a aventura, as diversas mudanças de tamanho e a confusão que isso causa em Alice, ao ponto de ela dizer que não sabe mais quem é após tantas transformações).
Também é possível dizer que a obra faz referências a questões de lógica e à matemática, matéria que Carroll lecionava. Daí a ser, às vezes, de difícil compreensão.
«Alice no País das Maravilhas» voltou! E chega amanhã aos cinemas numa nova versão realizada por Tim Burton.
A pequena Alice, já não tão pequena, vai regressar ao País das Maravilhas com 19 anos, onde irá reencontrar os seus antigos amigos o Coelho Branco (Michael Sheen), Lagarta Absolem (Alan Rickman), Tweedledee e Tweedledum (Matt Lucas), o Gato Cheshire (Stephen Fry) e irreverente Chapeleiro Louco (Johnny Depp). Entretanto a Rainha Vermelha (Helena Bonham-Carter) ascendeu ao poder e toda a esperança numa mudança concentra-se na pequena Alice.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

"Escrita finta deficiência"


"Adriana Ferreira, com 16 anos e de raízes humildes, dribla assim através das letras no computador a sua paralisia cerebral, ajuda economicamente a família e promove a inclusão.
"Não me imaginava como escritora, foi de repente, na escola apoiaram-me muito. Oxalá o livro sirva de exemplo aos que têm dificuldades idênticas às minhas, pois quando era pequena a aceitação social foi bastante difícil", diz ao JN a aluna de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade, na Escola Secundária de Barcelos.
O seu livro de estreia fala de um cão rejeitado pelo irmão, que quer sair de casa por recusar viver com o dálmata sem pintas. Foi co-escrito com a docente de ensino especial Eugénia Carvalho, do Agrupamento Braga Oeste, ilustrado pela educadora Anabela Marta e com grafismo da docente de TIC Hélia Lima. A edição de autor de mil unidades foi paga com receitas de uma festa dos escuteiros de Martim, terra da autora.Face à procura foi lançada a segunda edição da obra, que culmina três anos do projecto Superar Barreiras. Aí, os estudantes abordaram por exemplo as barreiras humanas e arquitectónicas, enviando até a lista de falhas à DREN, Câmara e Estradas de Portugal, que agiram de imediato. Percebeu--se ainda que a mochila no chão prejudica o colega invisual, o surdo tem de pedir no bar por escrito ou, na biblioteca, a falta de volumes em braille e prateleiras altas atrapalham invisuais e deficientes motores.
"A comunidade sensibilizou-se e a Adriana, antes incomodadíssima com a diferença, viu que a cadeira de rodas é um detalhe; tem forte auto-estima, talento, boas ideias e desbravou mentalidades e barreiras, sobretudo sociais", anuiu Eugénia Carvalho. "Estou orgulhosa, nunca pensei que a minha filha fosse tão longe", reagiu Esmeralda Cardoso."


in "Jornal de Notícias" 22 de Fevereiro de 2010

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

"A poesia é sobretudo um risco"

"Quintas de Leitura", no Porto, celebram 100ª edição amanhã, quinta-feira. Êxito do ciclo surpreende até o mentor

Ontem
SÉRGIO ALMEIDA

Em oito anos, tornaram-se uma referência incontornável do roteiro cultural portuense, com um público fiel e numeroso, sempre a crescer.
As "Quintas de Leitura", no Teatro do Campo Alegre, chegam amanhã à centésima edição e querem celebrar a data a preceito.
Surgiram em plena ressaca da Porto 2001, quando ainda subsistia a esperança de que a elevada quantidade de eventos da Capital Europeia da Cultura poderia ter continuidade. O desânimo que não tardou a instalar-se entre as hostes culturais da cidade em nada perturbou João Gesta, programador das "Quintas de Leitura" desde a primeira hora, que traçou logo nessa altura os objectivos: criar um ciclo de poesia com entrada paga em que os espectadores teriam acesso ao trabalho de criadores consagrados e emergentes não apenas na poesia, mas também noutras linguagens artísticas, da música, à dança, passando pelo vídeo e fotografia.
"O sucesso surpreendeu-me, quanto mais não fosse porque estamos a falar de regras ambiciosas. Pagar para assistir a espectáculos de poesia não era um hábito enraízado em Portugal", reconhece Gesta, que afirma dever tudo sobre a sua função a Joaquim Castro Caldas, o poeta responsável durante anos pelas célebres noites do Café Pinguim.
"Ciclo de boa saúde"
Primeiro no café-teatro e mais tarde no auditório do Teatro do Campo Alegre, o ciclo não tardou a sedimentar o seu prestígio, graças ao que João Gesta considera ser "uma mescla equilibrada" entre autores já renomados e outros a caminho disso.
"O ciclo continua de boa saúde ao fim deste tempo todo. As bases estão consolidadas, mas é preciso também oferecer às pessoas propostas inusitadas e surpreendentes. A poesia é sobretudo um risco", sintetiza João Gesta.
A frequência da participação de autores como Valter Hugo Mãe, José Luís Peixoto e Gonçalo M. Tavares não tem isentado os organizadores de críticas quanto à repetição de fórmulas. João Gesta discorda do reparo, frisando que cada participação de um dos referidos autores equivale a um novo espectáculo, com outros intervenientes e protagonistas.
"Além disso, é o público que exige a sua presença. No dia seguinte à presença do José Luís Peixoto, por exemplo, há pessoas que ligam para o teatro a perguntar quando será a sua próxima vinda", confessa.
Eleger momentos marcantes em 99 edições é tarefa árdua, à qual Gesta, porém, não se furta, destacando o momento em que Rui Reininho simulou atirar para a assistência um recipiente cheio de urina que, afinal, era chá... "Aquilo poderia ter acabado mal", sorri o mentor do evento, patrocinado pela Fundação Ciência e Desenvolvimento, que confessa jamais ter sentido pressões para convidar determinados autores. "No momento em que isso acontecesse, cessava funções", diz.
in Jornal de Notícias, 24 de Fevereiro de 2010

Não vamos esquecer...Madeira!


domingo, 21 de fevereiro de 2010

Outra vez a Estrela...

Desta vez meteu o focinho na areia, a minha maluca!

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Parabéns Tatuagens!

"Adormeci e sonhei que a vida era alegria; despertei e vi que a vida era serviço; servi e vi que o serviço era alegria."

(Rabindranath Tagore )

Hoje o Tatuagens está de parabéns e, como tal, resolvi deixar o meu primeiro post.

Foi assim que nasceu o Tatuagens!

Quero agradecer a todos vocês que estão do outro lado e que fazem do meu blogue um espaço de partilha de sensações, de prazeres, de sabores... Vocês são o Tatuagens!

E quero deixar um agradecimento especial ao Armando porque foi o primeiro a comentar.

Parabéns Tatuagens!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Dia 27, Teatro Municipal de Vila do Conde às 22 horas

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Tributo Zeca Afonso em Braga


Blog perfeitinho

Este foi mais um selinho oferecido pela amiga Luz , do blogue Anima Luce Mia, a quem deixo um agradecimento especial .
Devería, segundo as regras, oferecê-lo a cinco blogues mas vou oferecê-lo a quem o quiser vir buscar ao meu Tatuagens.

A outra regra é dar alguns aspectos a conhecer...
Aqui vai:

Mania: ter tudo organizado.

Pecado capital: sou muito gulosa por chocolate, caramelo, coco...

Melhor cheiro do mundo: cheiro do meu filhote, principalmente o de quando era bebé! O cheiro do mar, do campo, cheiro a café, a baunilha...perfumes amadeirados e secos, um pouco doces (no Inverno) e cheiros frescos, florais (no Verão).

Se o dinheiro não fosse problema: eu viajava muito, conhecia culturas diversa, ía ao teatro, ao cinema, a concertos, ía às compras :) sem olhar ao preço! Ajudava quem precisa e construía um espaço dedicado à Criança, com tudo a que têm direito!

História da infância: são muitas as histórias...todas inesquecíveis! o que mais recordo com saudade são os amigos que dela fizeram parte e com quem já não tenho contacto. Recordo-me muito da minha professora primária, a doce D. Teresinha que se reformou mais tarde um ano para nos acompanhar até ao fim do 1º ciclo.

Habilidade na cozinha: dizem que tenho imensa! Não é para me gabar mas cozinho muito bem! Tive uma boa professora: a minha mãe.

Frase preferida: trago-a sempre comigo :) Carpe Diem.

Passeio para o corpo: uma boa massagem!

Passeio para a alma: também uma boa massagem!

O que me irrita: quando o meu marido e o meu filho deixam tudo desarrumado!

Frases que uso muito: a sério?! gostas de mim? já me estou a passar! oh sorte!

Palavrão mais usado: é melhor não dizer...:)

Talento oculto: muitos...é segredo!

Não importa que esteja na moda, eu nunca usaria: nada com que não me sentisse confortável.

Queria ter nascido a saber: o quão bom é saber, é fazer, é viver...

domingo, 14 de fevereiro de 2010

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Black

video

O meu Tatuagens está quase a fazer um ano e eu nunca vos disse o porquê de se chamar assim. Pois bem, foi inspirado um pouco na letra desta música que me é muito especial, por um dia me ter sido dedicada... Obrigada a quem o fez! Continuas a ser especial...De facto, esta música marcou a minha adolescência e a minha vida!

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Hoje sinto-me assim...


Hoje sinto-me sem os pés no chão,
sinto-me vazia, sem sangue...
Sinto-me como se não houvesse tempo!
Como se não existisse o Inverno,
muito menos a Primavera...
Como se não houvesse o canto dos pássaros
e o sopro do vento!
Hoje sinto-me como se nada sentisse,
longe do mundo... efémera quimera!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010


Fotografia tirada em Vila do Conde - Capela de Nossa Senhora do Socorro

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010


Quem me quiser há-de saber as conchas

a cantiga dos búzios e do mar.

Quem me quiser há-de saber as ondas

e a verde tentação de naufragar.
Quem me quiser há-de saber as fontes,

a laranjeira em flor, a cor do feno,

a saudade lilás que há nos poentes,

o cheiro de maçãs que há no inverno.
Quem me quiser há-de saber a chuva

que põe colares de pérolas nos ombros

há-de saber os beijos e as uvas

há-de saber as asas e os pombos.
Quem me quiser há-de saber os medos

que passam nos abismos infinitos

a nudez clamorosa dos meus dedos

o salmo penitente dos meus gritos.
Quem me quiser há-de saber a espuma

em que sou turbilhão, subitamente-

Ou então não saber coisa nenhuma

e embalar-me ao peito, simplesmente.


Rosa Lobato Faria 1932-2010

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Estrela


Ontem fiquei deliciada com as palavras que o sonhador em fulltime, do blogue http://a-traicao-do-eu.blogspot.com/, dedicou ao seu amigo de 12 anos para cá.
De facto, só depois de se ter um animal é que se entende a grandiosidade de se dar sem esperar nada em troca. Os animais jamais nos abandonam, seguem o seu dono para onde quer que vá, então porque somos nós muitas vezes a abandoná-los?
Deu-me uma vontade enorme de deixar-vos estas imagens da minha Estrela, que já vos havia apresentado anteriormente, agora em formato maior! :) Ela não pára de crescer e ainda só tem quase 8 meses!
É extremamente gratificante quando nos sentimos amados, quando alguém nos chama ás 7 horas da manhã porque já acha que está há muito tempo sem nos ver, ou porque tem fome! :) E ainda melhor é chegar a casa, e mesmo antes de se entrar na porta, ela já saber que estou a chegar...e correr como que para nos abraçar parecendo uma doida!... Já não consigo imaginar a minha vida sem a minha Estrela!

domingo, 31 de janeiro de 2010

O tempo é ...











Fotografias tiradas no interior do Museu D. Diogo de Sousa - Braga

domingo, 24 de janeiro de 2010


Recebi mais um prémio, uma vez mais o meu obrigada à Luz do http://atomovida.blogspot.com/pelotinto .

Agora segue-se o seguinte, tenho de passar este selo a outros cinco blogues. A minha escolha, hoje, vai para:











Cada um, destes 5 blogues deve passar o selo a outros 5 e as regras são as seguintes:
1- Exibir a imagem do "Prémio Relíquia da Internet" que acabou de ganhar, em qualquer área do blogue (barra lateral, por exemplo); 2- Publicar um post a informar que ganhou o selo e o link do blogue que o ofereceu; 3- No mesmo post, publicar as regras e indicar os cinco blogues a quem oferece o prémio; 4- Avisar os blogues escolhidos com um mail ou comentário, enviando-lhes o código do selo e o endereço de seu blogue; 5-Conferir se os blogues escolhidos por si passaram o selo e as regras
.

sábado, 23 de janeiro de 2010

Virar a página


Lembro-me das noites sem dormir

Das canções que ouvíamos lado a lado

Segredos e frases que então trocamos

Naquele vazio do passado

Eu sei que tudo passa

Tudo fica para trás

É como um livro que não li

Por isso eu sinto e sei que te vou esquecer

Que desta vez irei dizer

Eu primeiro

Virar a página é querer rasgar as cartas que eu te escrevi

Sei que vou sair e viver sem ti

Lembro-me da chuva em Agosto

E sinto que nada é permanente

Sei que tudo muda e tudo passa

Nunca nada é para sempre

Eu sei que tudo passa

Tudo fica para trás

É como um livro que não li

Por isso eu sinto e sei que te vou esquecer

Que desta vez irei dizer

Eu primeiro

Virar a página é querer rasgar as cartas que eu te escrevi

Sei que vou sair e viver sem ti

(...)


Anjos

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Prémio Lobinho

Recebi o prémio Lobinho, do blogue http://sairdaspalavras.blogspot.com/ com muito agrado. Os selos encontram-se na lateral do meu espaço, são muito elegantes. Obrigada Daniel pelo carinho e distinção.
Aa regras são: nomear cinco blogs e responder a algumas perguntas.
Passo a oferecer o prémio aos blogs:

http://silnunesprof.blogspot.com/

http://ogonblick-for-mig.blogspot.com/

http://a-traicao-do-eu.blogspot.com/

http://meu-mundo-um-lugar-meu.blogspot.com/

http://instantes-do-pensamento.blogspot.com/

Agora as minhas respostas às perguntas:

a) Tens medo de quê? Não costumo ter medo mas sim alguns receios.
b) Tens algum guilty pleasure? Não, se o tivesse não o diria...deixava de ser segredo!
c) Farias alguma "loucura" por amor/amizade? Já fiz muita coisa por amor mas nunca considerei loucura.
d) Qual o teu maior sonho? [Não vale responder Paz, Amor e Felicidade ;) ] Bem, essa é complicada...o meu maior sonho é poder continuar a sonhar!
e)Nos momentos de tristeza, abatimento, isolas-te ou preferes colo? (Não vale brincar) Nesses momentos, normalmente isolo-me e não quero nem ver, nem ouvir, nem falar...às vezes escrevo.
f) Entre uma pessoa extrovertida e outra introvertida, qual seria a escolha abstracta? Um pouco das duas.
g) Sentes que te sentes bem na vida, ou há insatisfações para além do desejável? Eu sinto-me bem assim, no entanto, o indivíduo é por natureza um ser insatisfeito.
h) Consideras-te mais crítico ou mais ponderado? (mesmo sabendo que há críticas ponderadas) Normalmente sou uma pessoa que gosta de criticar, não quer dizer que seja de forma negativa, mas costumo ponderar sempre nas minhas atitudes e decisões.
i) Julgas-te impulsivo, de fazer filmes, paciente ou... (define o que te julgas no geral) Sou muito impulsiva :)
j) Consegues desejar mal a alguém e eventualmente concretizar? (Responder com sinceridade) Toda a gente deseja, directa ou indirectamente, mal a alguém, mas não consigo fazer mal a uma mosca!
k) Conténs-te publicamente em manifestações de afecto (abraçar, beijar, rir alto...). Não, não me contenho nada, sou explosiva e muito emotiva.
l) Qual o lado mais acentuado? Orgulho ou teimosia? Sou muito teimosa, o meu marido que o diga!
m) Casamentos homossexuais e/ou direito à adopção? Respeito apenas.
n) O que te faz continuar com o blogue? Não sei, é espontâneo...acho que é já um vício.
o) O número de visitas ou de comentários influencia o teu blogue? De certa forma, gosto de sentir que me ouvem desse lado e, sobretudo que me entendam.
p) Na tua blogosfera pessoal e ideal, como seria ela? Seria tal qual ela é...livre e espontânea, com uma pitadinha de secreto, de virtual.
q) Deviam haver encontros de bloguistas? Caso sim em que moldes e caso não porquê? Sim, porque não? Gostaria de conhecer muitos de vocês.
r) Sabes brincar contigo mesmo e rir com quem brinca contigo? (Não vale responder com ironias)Sim, rio muito...dizem que rir faz bem à pele!
s) Já agora, qual ou quais os teus principais defeitos?Sou teimosa, protectora e sonhadora demais.
t) E em que aspectos te elogiam e/ou achas ter potencialidades e mesmo orgulho nisso? Normalmente elogiam a minha sensibilidade, o facto de estar sempre pronta a ajudar, a minha frontalidade e as minhas várias aptidões...não digo quais são :)
u) Entre uma televisão, um computador e um telemovel, o que escolherias? Um computador, sem dúvida alguma. É uma passaporte...
v) Elogias ou guardas para ti? Elogio, claro.
w) Tens a humildade suficiente para pedir desculpa sem ser indirectamente? Sim, peço desculpa.
x) Consideras-te, grosso modo, uma pessoa sensível ou pragmática?Sou muito sensível, mas tenho a minha dose de pragmatismo.
y) Perdoas com facilidade? Sim, embora não me esqueça facilmente daquilo que me magoa.
z) Qual o teu maior pesadelo ou o que mais te preocupa?
Normalmente não tenho pesadelos, mas preocupa-me o progresso desmedido do mundo!

Não vamos esquecer...Haiti


quinta-feira, 7 de janeiro de 2010